Todos os gastos que uma empresa gera não surgem do nada. Aliás, tendo em mente que os custos são investimentos, sempre se investe com um propósito. No entanto, esse propósito nem sempre é bem aproveitado. Por isso, saber como calcular o ROI em uma empresa é essencial para analisar como o capital investido está sendo utilizado. E, principalmente, se ele rende (ou não!).

Mas por que devo saber como calcular o ROI em minhas viagens corporativas?

Simples! Viagens a trabalho são, sobretudo, investimentos. E dos bem lucrativos.

No entanto, são também bem complexos e dependem de muitos fatores. Mesmo que o cálculo seja matematicamente simples, ele revela diversos pontos qualitativos. E a partir desses pontos, é possível examinar a viagem mais precisamente. Mas qual a fórmula do ROI? E quais são esses pontos que devo levar em consideração? Vamos lá então, primeiramente…

O que, de fato, é ROI?

Em tradução livre, significa “retorno sobre investimento” (return on investment). E, em síntese, é essa a definição.

A partir da análise do ROI, é possível examinar se uma determinada ação obteve um retorno superior (ou inferior) ao capital investido. Portanto, é um cálculo fundamental para a reavaliação de estratégias.

Mas como calcular o ROI?

Para efetuar o cálculo, é preciso subtrair o valor do investimento pela receita gerada e dividir pelo valor do investimento. O resultado, multiplicado por 100, é apresentado em porcentagem.

Como calcular ROI

Esse valor, portanto, é a quantidade de vezes em que determinada ação deu de retorno positivo (ou negativo) à empresa.

Vamos aplicar a fórmula em um exemplo:

Uma organização, em uma viagem a negócios, arcou com R$2.500,00 de custos para fechar uma transação que gerou R$10.000,00 em receita.

Como calcular o ROI exemplo

Nesse caso, a receita gerou 300% vezes a mais sobre o capital investido pela organização.

Após o cálculo, você obteve um valor positivo. Parabéns! Mas o trabalho não acaba aí.

Como já citado, o ROI de viagens corporativas envolve diversos pontos qualitativos para se analisar. Ter um saldo positivo é um bom início. Mas por que não buscar aumentá-lo?

Como aumentar o valor do ROI?

Sinteticamente, o ROI tem crescimento quando se diminui o investimento e se aumenta a receita gerada.

Com dúvidas de como faria isso? Aqui estão alguns tópicos para reduzir alguns custos.

Expansão de parcerias

Ampliar a rede de parceiros é uma ótima opção para diminuir os custos. Dessa forma, é possível gerar descontos com mais facilidade, seja com hospedagem, passagens aéreas, eventos corporativos, dentre vários outros segmentos que correspondem a grande parte dos gastos.

Buscar uma parceria com companhias aéreas, por exemplo, é uma ação muito recomendada, já que as passagens correspondem, geralmente, ao maior custo nas viagens.

Planejamento prévio

Fazer tudo de última hora é uma prática nunca recomendada. Portanto, planejar a viagem com antecedência é essencial.

Comprar passagens aéreas um bom tempo antes da data de embarque garante uma segurança mais certa para bons preços. Quanto mais perto da viagem, mais o preço beira o temido full fare – tarifa cheia, sem nenhum desconto.

Quanto à hospedagem, planejar com antecedência garante maior poder de negociação. Vale considerar, aliás, que viajantes corporativos, geralmente, são a principal fonte de lucro dos hotéis.

Além disso, devido ao RevPAR – receita por quarto disponível – as redes de hotelaria são mais flexíveis a descontos quando se fecham hospedagens com um bom tempo prévio, já que a garantia de um bom resultado desse cálculo demanda o período em que os quartos estão sendo ocupados. Ou seja, garantir ocupações daqui há meses, por exemplo, é valioso para hotéis.

Contratação de empresas de viagens corporativas

A especialização é, praticamente, a fórmula do sucesso hoje em dia. Deixar todo o gerenciamento das viagens para quem sabe do assunto pode dar mais chances de conseguir descontos.

As empresas especializadas já possuem os dois itens citados acima. Além uma vasta rede de parceiros, buscam sempre o planejamento prévio.

Quem tem experiência na área, sabe bem o caminho que se deve seguir. E, geralmente, esses caminhos são mais rápidos e mais baratos.

A BTM Viagens, por exemplo, possui garantia de descontos em contrato. Vale a pena pesquisar!

Política de viagens

Tendo uma boa política de viagens, é possível reter muitos custos. Estabelecer um teto de gastos, por exemplo, faz com que o viajante se ajuste melhor.

Com uma política alinhada e um planejamento bem feito, as dores de cabeça que venham a surgir com os imprevistos poderão reter todo o foco de atenção para uma rápida resolução.

E nunca se esqueça que imprevistos sempre podem acontecer. Então esteja preparado!

Mas meu ROI está negativo, e agora?

Primeiramente, não precisa surtar! Um ROI negativo nem sempre é um problema.

Para aprender como calcular o ROI é necessário considerar, sobretudo, elementos qualitativos.

Portanto, caso o cálculo não dê positivo, é preciso analisar algumas questões:

Qual foi o objetivo da minha viagem?

Nem sempre o foco do viajante é gerar uma receita. Levar membros da equipe em feiras, workshops e treinamentos nem sempre vai ter um retorno imediato. O foco pode ser ampliar o networking ou qualificar a equipe (ou os dois). E isso é algo que vai gerar uma receita futura, mesmo que indiretamente.

Onde foi investido o capital?

Em muitos casos, o problema está na má distribuição do capital investido. Por isso, é essencial saber muito bem quanto dinheiro será preciso para cada um dos gastos. Ter uma boa política de viagens é uma boa prática para auxiliar nessa situação.

Como foram feitos os pagamentos?

Ter um meio de pagamento único se faz possível analisar onde necessita de um valor maior a ser investido. Cartões de crédito virtuais, por exemplo, detalham todos os custos da viagem.

É sempre importante utilizar de métricas para medir desempenhos.

Saber como calcular o ROI é um diferencial e tanto para revisar estratégias.

Após analisar origens de gastos, como transporte terrestre e aéreo, hospedagem, alimentação, seguros e eventos corporativos nas viagens, é possível medir com mais precisão a reação do investimento sobre a receita gerada.

Conseguimos sanar suas dúvidas? Confira também o que rolou no BtSummit SP 2019. Lá, demos muitas dicas que auxiliam todos que estão aprendendo como calcular o ROI das viagens corporativas.